segunda-feira, 11 de agosto de 2008

O que vai valer a pena nessa madrugada

Eu fui pra China-na, pra ver o que era China-na


Ainda bem que nunca nos comprometemos a acompanhar o basquete feminino por aqui, porque nada é tão sofrido quanto torcer pra mulher. Quem assiste vôlei e handebol sabe do que eu estou falando. Torcer pra time femino é torcer para um grupo de TPMs ambulantes que em um minuto estão felizes e confiantes e um erro depois estão depressivas e inseguras. Em todo lugar é assim, no tênis femino é assim também e lá fica mais claro ainda porque é um esporte individual e qualquer tropeço técnico ou mental do atleta fica bem nítido e não há substituição que resolva.

O que vimos hoje na seleção brasileira feminina é tudo o que podemos esperar delas. Podemos esperar um time que toma 20 pontos de vantagem sem mostrar reação, parecendo um time amador (amador mesmo, daqueles que perderia, sei lá, pra Coréia) e depois mostra que é um time forte, confiante e que pode assustar (não vencer) alguns dos times mais fortes do mundo. Não dá pra entender mesmo essas meninas, torcer pra mulher faz muito mal, você nunca sabe o que esperar. Torcendo para o Rockets o Danilo sabe que seu time vai religiosamente para os playoffs e perde na primeira rodada, sorte dele que não sofre.

Voltando a falar dos homens, temos alguns jogos interessantes hoje e imagino que eles sirvam como indicadores de outras coisas também interessantes. Como vocês podem ver, a Olimpíada é um evento muito interessante.

O primeiro jogo do dia é Irã e Lituânia e assistir ele vai indicar o quanto você gosta de basquete. Se você assistir mesmo sem ter nascido na Lituânia ou no Irã você ama muito basquete, não tem namorada ou não gosta de ginástica artística, que é quase no mesmo horário. Se você não gosta de ginástica artística você ganha os parabéns do Bola Presa por ser macho de verdade. Se além de não gostar de ginástica você repudia Saltos Ornamentais, Ginástica Ritmica e, irgh, Nado Sincronizado, aí você é um macho completo. Homem que é homem assiste futebol, basquete e boxe.

Logo após o embate do time do Linas Kleiza iremos assistir a Croácia x Rússia. Esse jogo sim é bom e vai nos mostrar algumas coisas relevantes ao torneio olímpico. A Rússia é a atual campeã européia e chegou aos jogos como favorita a medalhas, mas nos amistosos que realizou antes da Olimpíada não foi tão convincente como há um ano e a Croácia será um bom teste para vermos se a Rússia é pra valer, já que no primeiro jogo eles bateram no Irã. Já a Croácia todo mundo já viu que é um time bom, mas falta saber quanto. É bom para vencer os mais fracos e cair nas quartas-de-final ou estamos falando de um time que tem chance de incomodar Espanha, Grécia, Argentina e EUA na luta por medalhas?

Eu acredito que eles podem chegar a uma semi-final. Nomes como Davor Kus, Roko Ukic, Marko Tomas e Zoran Planinic não chamam a atenção como as atrações individuais de seus rivais mais fortes, mas o time como um todo e esses jogadores em especial jogaram muito bem todas as vezes em que eu os vi jogar. Cometo o pecado de não ser especialista em basquete croata, mas podem ter certeza de que verão um time muito bom em quadra, provavelmente o melhor jogo da madrugada.

Após o melhor jogo você pode ir dormir ou assistir à Alemanha e Grécia. Eu acho que dormir é superestimado.

O legal de ver a Grécia é analisar a sua "Síndrome de Angola". Para quem não sabe, eu explico: A seleção de Angola sofre por não conseguir ter um jogo emocionante em seu currículo. Como nosso leitor angolano, o Manguxi, disse, eles têm bons talentos individuais (destaque para o Mingas!), e com eles a Angola domina o cenário africano com muita facilidade, sem nenhum adversário que realmente os ameace. Mas aí eles se classificam para campeonatos mundiais e então não conseguem fazer jogo duro com ninguém. Eles são destinados a jogos com pelo menos 15 pontos de diferença no placar. É como aqueles games realistas de Fórmula 1 que você é campeão mundial com o Rubinho no nível médio e não consegue fazer uma curva sequer quando deixa o jogo realista.

Sinto que a Grécia está mais ou menos assim. No pré-olímpico mundial eles atropelaram sem nenhuma dó alguns times medianos como o Brasil e Porto Rico, depois tomaram uma sova da Espanha mesmo sem uma atuação brilhante dos espanhóis. Estaria a Grécia fadada a esse futuro de bater nos médios e apanhar dos fortes? Veremos hoje como eles se portam diante de uma equipe mediana, a Alemanha, que busca uma vitória contra qualquer um para não precisar decidir sua vaga contra o time da casa.

Às 5h45, você que não viu os outros jogos estará acordando e xingando muito a sua vida, o chefe, o trânsito, os filhos que não levantam pra ir pra escola, o irmão que não libera o banheiro, a professora vaca que não tolera atrasos. Esse horário é o do mau humor. Pra compensar você pode tomar seu café sem açúcar assistindo a Espanha x China. O jogo deve ter vitória tranquila da Espanha se tudo ocorrer normalmente, mas vale pra torcer por uma superação chinesa e pelos destaques individuais.

Se você gosta de jogadores consagrados pode ver um embate entre Pau Gasol e Yao Ming. Os dois são bem finesse, não vão ficar se empurrando muito em nome do código de ética dos jogadores frouxos e deve ser um duelo muito técnico e divertido de assistir. Para quem já está pensando na temporada que vem é uma chance de ver pela Espanha o fenomenal Rudy Fernandez que, como o Danilo já disse, arrebentou no jogo contra a Grécia e deve tentar enterrar na cara do Yao Ming hoje. Na temporada que vem também veremos na liga o Sun Yue, armador chinês contratado pelo Lakers. No jogo contra os EUA ele jogou bem, não se intimidou e até deu toco no Dwight Howard (e tomou enterrada do Kobe).

Pensando mais ainda no futuro da NBA, é mais uma imperdível chance de ver o Ricky Rubio em ação. Mesmo se ele for discreto como no jogo contra a Grécia, vale a pena ver o garoto jogar só porque ele é calmo e toma decisões como se tivesse 35 anos e barba na cara, não como um garoto de 17 anos, o garoto é frio.

Depois disso é hora da seleção americana contra Angola. É, não sei se essa vai ser a melhor oportunidade para ver o potencial do time angolano, mas de qualquer forma ver Kobe, BronBron e Wade em quadra nunca é demais.

Para terminar a noite, já às 11 da manhã, tem Argentina e Austrália. Eu acho que a Argentina de 2008 é mais fraca que a de 2004, principalmente por não ter o Pepe Sanchez, mas mesmo assim fiquei surpreso com a derrota para a Lituânia e com a dependência de jogadas individuais do Ginobili e do Delfino para o ataque argentino funcionar, o jogo contra os cangurus vai dar uma chance para vermos se a Argentina está encrencada ou se foi só nervosismo de estréia . Será também interessante ver se na posição de pivô da Austrália veremos o ótimo Andrew Bogut ou o sósia dele que não sabe jogar basquete e que estava presente no primeiro jogo contra a Croácia.

Como na primeira rodada, nosso chat estará aberto para os notívagos. Até mais tarde!

10 comentários:

Renan Ronchi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renan Ronchi disse...

Sinceramente o jogo mais chato do dia vai ser o dos Estados Unidos, mas eu vou assistir só pra ver o LeBron enterrando em cima dos angolanos. Se a Argentina perder pra Austrália já pode se matar, e Grécia e Alemanha vai ser uma final não feita da porra do pré olímpico. Será interessante ver esse jogo.

Linelson disse...

A Argentina ja tinha levado uma surra da Lituania em um amistoso na Espanha, entao eles evoluiram, eheehhehe

Anônimo disse...

Vo assistir pelo menos uns 2 jogos por madrugada rsr não tem nada de mais ir parecendo um Zumbi trabalhar..... basquete é mais importante que o trabalho rsrsrs
Valewww pelo site de vcs, muitoooooooooooooooo bom talento puro....
abraçoooooooooooooo

Fiel disse...

O destaque da materia (IMO) foi: "código de ética dos jogadores frouxos " haha ! muito bom !

E so um adendo, hj tem CQC, quem nao viu tem que assistir, depois do CQC vamos pro basquete, naquele dorme, acorda que é foda !

abraços a todos

Anônimo disse...

Olá amigos!
Sei que a época é de olímpiada, mas gostaria de uma informação sobre a NBA (mais precisamente sobre os Blazers).
Sou torcedor do Portland a muito tempo (pra ser mais preciso desde a final de 92 quando conheci o bom e velho Drexler), e gostaria de ter mais informações sobre o Rudy Fernandez. Vcs acreditam q ele terá sucesso no Portalnd? Vou tentar assistir algum jogo da Espanha pra ter uma idéia, mas mesmo assim gostaria de opinião de vcs... Valeu, abraço!
Zani (ginobily@yahoo.com.br)

Denis disse...

Olá Zani!

Já falamos um pouco do Rudy por aqui e esperamos falar mais com o passar das olimpiadas. O garoto topou ganhar bem menos que na Europa pra ir pra NBA, o que mostra que ele tem vontade.

Ele tem um estilo de jogo que combina com a NBA e estará em um time bom, jovem e que quer ver ele crescer.

Ele arremessa de longe, é rápido, agressivo, enterra, tem tudo pra dar certo. Não dá pra saber se ele vai dar certo como o Leandrinho por exemplo, que é um ótimo reserva e potência ofensiva ou se será um Ginobili, que é um all-star, um jogador completo. Isso só vai dar pra descobrir acompanhando a carreira dele.

Abraços!

Aércio Lutuima aka Manguxi disse...

Denis, Angola tem muitos jogos emocionantes no seu currículo: vencemos a Espanha em 92 Barcelona por 20 pontos de diferença, a China sempre foi nosso fregués ( se bem, q tende a mudar este retrospecto), o Brasil e Angola tb têm jogos memoráveis ( c vitórias p os dois lados), o Porto Rico já perdeu muito com Angola, no último mundial perdemos da alemanha após 3 prolongamentos e nos classificamos em oitavo lugar num universo de 16 seleções,etc.

E estámos a falar num País que em termos de infraestruturas está muito distante da realidade de todos estes paises acima citados. Só por isso, acho que os nossos feitos basquetebolísticos merecem os aplausos de todo mundo que acompanha o basket(o dia em que o Brasil tiver a pretenção de ser campeão de medalhas de uma olímpiada, vás entender o que eu digo), ou seja, contra factos não há argumentos por mais boa vontade que tenhamos .

Os Angolanos são muito baixos comparados aos seus adversários, realidade esta, que já não dá para ignorarar no actual mundo do basket. Para contrariar esta desvantagem só com muito lançamento, mais aí os white man são inegavelmente melhores até na NBA. White man can't jump, but can shoot.

Danilo e Denis, teria imenso prazer em vós conhecer pessoalmente. vou deixar os meus contactos e esperar pelos vossos também, caso um dia eu vá para o Brasil e vice-versa vocês p Angola.

aerciolutuima@yaho.com.br ; aercio_lutu@hotmail.com; aerciolutuima@gmail.com

móvel: 244923638869

Um abraço, basket para mim é droga, já deu para ver q p vocês não é diferente ( viciados )...

Jotage disse...

Como o cara aí de cima falou, a Angola está longe de ser o saco de pancadas que era antes. Os africanos ficaram em 10º lugar no último Mundial em um campeonato com 24 seleções. Teve esse jogo com a Alemanha e contra a campeã mundial Espanha o jogo foi parelho. Neste ponto vcs estão equivocados.

Mas o site é o melhor que eu conheço de basquete, acompanho todos os dias, só não quero ver vcs falando mal de Angola...haushaushasu

Denis disse...

Hahahaha!! Não foi nossa intenção falar mal de Angola, jotage. A "Sindrome de Angola" que eu disse da Grécia foi sem levar em consideração todos os jogos de Angola nos últimos campeonatos, foi mais no espírito da brincadeira. Prometo que falarei mal só do Irã agora, embora ontem no chat tivesse gente defendendo o pivô deles.

Acho que Angola evoluiu nos últimos anos e está perto de outras potências assim como os times europeus e a argentina chegaram perto dos EUA. Não sei bem explicar o motivo mas desde o massacre americano de 92 o basquete está cada vez mais parelho em todos os continentes.

Entrarei em contato com você para saber mais do basquete Angolano, Manguxi. Fiquei bastante interessado!

Abraços!