domingo, 3 de agosto de 2008

Nascido para a Olimpíada

Foi assim que a China aprendeu o que era
essa tal de "emoção em quadra"



Entre os fãs de basquete ligados em teorias de conspiração, o surgimento de Yao Ming não é mera coincidência. Diz a lenda que seus pais, ex-jogadores de basquete, foram obrigados pelo governo a casarem-se. O filho do casal foi avaliado por médicos do esporte constantemente e, aos 10 anos de idade, quando constataram que teria cerca de 2 metros e 20 centímetros de altura quando crescesse, foi enviado para uma escola específica de basquete. Aos 13 anos, treinava dez horas por dia e aos 17 já estaria jogando com times profissionais na China. Sua ida para a NBA também teria sido planejada para estreitar as culturas e aprender o modo "correto" de se jogar basquete. Tudo um plano complexo que culminaria em formar uma super-seleção para uma futura Olimpíada que ocorresse na China e pudesse comprovar a vitória do governo chinês.

Mas isso tudo é história. Algumas pessoas dizem que ele apenas comeu feijões mágicos. Outras, que ele é um alienígena vindo do planeta Krypton. Alguns, mais ousados, dizem que ele é apenas um chinês alto. Seja qual for sua história favorita, é impossível negar os esforços do governo chinês para, de fato, sair vitorioso da Olimpíada em seu país. Trata-se de um projeto esportivo de longa data que, com dinheiro, empenho e possivelmente muita carne de cachorro e trabalho semi-escravo, gerou esportistas fenômenos em diversos esportes. Com o basquete, não seria diferente. Yi Jianlian, que tanto me impressionou no começo da temporada passada, foi para o Bucks com a declarada intenção de ganhar experiência para as Olimpíadas. Novamente, diz a lenda que houve um acordo para que Jianlian jogasse pelo menos 20 minutos em todas as partidas do Bucks, senão ele continuaria jogando na China - a federação de basquete chinesa não podia correr o risco de ter uma possível estrela esquentando bancos na NBA. O tempo estava contra eles.

O dedo chinês não se ateve apenas ao novato Yi Jianlian. Lá estava eu assistindo um jogo do meu amado Houston Rockets, o Yao Ming chutou uns traseiros, teve uma boa partida e saiu de quadra naturalmente com uma vitória. Algumas horas depois, surgiu repentino o anúncio de que Yao Ming estava fora do restante da temporada graças a uma fratura por estresse. Eu não sou especialista em fraturas (minha especialidade é cirurgia cerebral), mas dizem que o Yao poderia ter continuado jogando normalmente. Trata-se de uma lesão que às vezes leva até 9 meses para ser descoberta, com o jogador atuando normalmente mas queixando-se de dores regulares. A lesão de Yao foi descoberta logo no começo e, portanto, ele poderia continuar jogando por mais alguns meses, se necessário. Só então a fratura seria abordada, mantendo intacta sua temporada na NBA.

A escolha ali foi muito clara: tratava-se de priorizar a NBA ou as Olimpíadas. Os patriotas que me desculpem, mas a decisão mais óbvia sempre deve ser priorizar a equipe que paga seu salário, que cuida das suas contusões e que te valoriza como merecido. Mas no caso de Yao, pensar no Houston não era sequer uma possibilidade. Sobre suas costas, encontra-se o peso de todo um país, de toda uma cultura, de bilhões de cidadãos. Se as lendas forem verdadeiras, ele nasceu para defender a seleção chinesa numa Olimpíada, nada mais. Obviamente, a NBA poderia esperar. O Houston Rockets não é otário e imediatamente divulgou uma nota anunciando que o Yao Ming estava sendo afastado das quadras mas que começaria logo sua recuperação tendo em vista conseguir atuar nas Olimpíadas. Ali, naquele simples comunicado, o Houston deixava bem claro que não estava nem um pouco interessado em irritar o mercado chinês, que gasta milhões de dólares por ano em mercadorias licenciadas do Rockets e da NBA. Capitalista ou comunista, dinheiro é dinheiro, crianças.

Foi tudo planejado para que Yao estivesse de volta às quadra a tempo de defender sua seleção, e o cronograma foi mantido. Após 5 meses parado, o pivô chinês jogou uma série de amistosos preparatórios com sua seleção. Dei uma espiada em especial no jogo da China contra o Irã e Yao pareceu visivelmente mais lento do que na NBA, obviamente longe de sua melhor forma. Nas palavras dele próprio, só está "70 ou 80% recuperado", o que não é lá muito bom sinal. Ainda assim, o pivô teve atuações mais do que sólidas e inclusive dominou algumas partidas, mesmo em minutos limitados.

Enquanto isso, seu compatriota Yi Jianlian fede. O ala acabou de ser trocado para o New Jersey Nets e eu não tenho nenhuma dúvida de sua técnica ou capacidade física, acredito que terá um belo futuro ao lado de Devin Harris, principalmente agora que finalmente jogará numa cidade com uma forte comunidade chinesa, algo que ele tanto pedia. Em Milwaukee não há um chinês sequer, provavelmente porque é impossível um estrangeiro conseguir pronunciar "Milwaukee", de modo que eles preferem locais mais simples para falar, tipo New York (mas não Utah, que é fácil de dizer mas tem, digamos, inconvenientes demais). Só que o futuro glorioso de Yi Jianlian parece cada vez mais longínquo. Na seleção chinesa, segue-se uma atuação medíocre atrás da outra e, mesmo quando consegue jogar bem, não é nunca espetacular. Além disso, o armador titular Liu Wei, que teve ótimas atuações nos amistosos, se contundiu feio contra a Austrália e está voltando aos poucos para as quadras. Para onde Yao Ming olha, só há desespero.

Suas declarações até são otimistas, mas sérias e sinceras. "Temos obviamente muito a melhorar e pouquíssimo tempo restante para trabalhar". Após uma derrota ligeiramente humilhante para o time da Austrália, composto por Andrew Bogut e quatro marsupiais, Yao não escondeu o descontentamento com a equipe e a consciência de que o negócio tá feio. Dá pra ver na cara dele, o tempo todo, aquele expressão de "putz, vai dar merda".

Plano maligno ou não, nascido para jogar essa Olimpíada ou não, Yao Ming sabe perfeitamente a pressão que tem nos ombros. Compreende que representa sua cultura e que é muito provavelmente o esportista mais famoso de seu país. Dificilmente espera-se que ele traga uma medalha para a China, mas as expectativas de que a seleção chegue longe, possivelmente a uma semi-final, são enormes. São bilhões de olhos chineses e meia dúzia de olhos do restante do mundo espiando cada movimento do pivô. Yao tem uma grande coleção de odiadores, gente que acompanhou sua carreira na NBA e simplesmente acha que ele fede, sem compreender a complexidade de seu choque cultural nas quadras americanas. Agora, ele precisa obter sucesso na frente desses críticos apesar do restante da seleção ser uma piada de mal gosto. O caminho pela frente é mais do que complicado, é quase impossível.

O grupo da China nas Olimpíadas é constituido pelos Estados Unidos, Espanha, Grécia, Alemanha e Angola. Para se classificar para a próxima fase, a seleção chinesa terá que acabar ao menos em quarto lugar do grupo, o que significa na prática vencer Alemanha e Angola. Apesar de ter perdido para a Angola em amistosos recentes, a China derrotou o time africano na semana passada, mostrando que tem totais condições de uma vitória. Resta saber quais são as condições de derrotar a seleção da Alemanha, composta de Dirk Nowitzki, além de... de... de... composta por Dirk Nowitzki.

Yao e Dirk talvez sejam os dois jogadores estrangeiros mais dedicados às suas seleções e também os possuídores dos piores elencos de apoio. É triste que o quarto lugar do grupo seja provavelmente decidido justamente num confronto entre os dois. O perdedor voltará pra casa, com exceção da China, que já estará em casa mesmo. O confronto será às 9h da manhã do dia 16, que será felizmente um sábado. Mal consigo me aguentar de ansiedade até lá.

4 comentários:

Raphael disse...

Mesmo baleado o Yao merece fazer uma grande olímpiada, o cara fez com que o país dele jogasse basquete.
A sorte dele é que no grupo dele tem a Alemanha e o mosquito da dengue vive rodando aqueles lados

Junior disse...

A seleção alemã ainda tem o Kaman pra complicar ainda mais a vida dos pobres chineses

será 1 confronto deverás interessante, Dirk e Kaman contra Yao e Yi

bruno disse...

Muito bom o post, e parabéns pelo blog.
Quanto ao yao o menor forma será compensada pelo apoio do publico, que delira com ele. É a personalidade mais influente neste mais pais e todo o adoram

Sbub disse...

É, a Alemanha é composta por Dirk, Kaman e três tiroleses. Mas talvez seja o melhor garrafão branco do mundo.

A China devia pagar um trilhão de dólares para ganhar dos EUA na final. Aí sim seria bacana. E bastaria pegar o salário de mil dias de um sexto da população, não é tanto assim.