sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Quer pagar quanto?

Quanto você pagaria para aprender a treinar com Isiah Thomas?

Durante a minha pesquisa por coisas interessantes que resultou no post de ontem sobre o documentário do Seattle Sonics, achei algumas outras que não eram tão interessantes assim, mas que na falta de assunto e pela bizarrice da coisa, merecem um comentário.

Olhem só esse site, o CharityBuzz. É uma página que leiloa qualquer coisa desde que todo o dinheiro seja revertido para a caridade. Várias celebridades e esportistas contribuem com prêmios, como uma partida de golfe com o Samuel L. Jackson (atualmente em 5.000 dólares), uma participação como figurante na série Damages (atualmente em 3.000 dólares) e um almoço com o ex-prefeito de NY Rudolph Giuliani (1,300 dólares). Tudo coisa pra rico realizar sonhos idiotas enquanto paga de bonzinho.

A NBA também está nessa. Preço parecido com o do almoço com o ex-prefeito está uma aula de arremesso com o Ray Allen! Por 1.300 dólares tem alguém levando uma aula de arremessos de 30 minutos com um dos melhores arremessadores da história. A única exigência do anúncio é que o vencedor tenha paciência para conseguir se encaixar na agenda cheia do jogador. Não sei se dá pra aprender muita coisa nessa meia hora, mas acompanhar o Ray Allen arremessando de perto deve ser uma baita experiência pra quem gosta de basquete. Pena que gastei meus últimos 1.500 dólares com, nessa ordem, mulheres, drogas e gibis.

Procurando por mais coisas da NBA por lá achamos algumas coisas no mínimo excêntricas. No ano passado o Celtics leiloou uma chance de viajar no avião particular da equipe junto com todos os jogadores para algum jogo fora de casa . Lá não tem o valor final do leilão mas tem um "valor estimado" de 50.000 dólares!

Tem coisas mais baratas para caso você não tenha 50 mil sobrando: uma bola autografada e um vinho (!!!) do Larry Bird (700 dólares), uma bola autografada pelo Adam Morrison (500 dólares) , um tênis (o pé direito) do Kobe Bryant (500 dólares) e ainda uma camiseta, extra-grande provavelmente, do Eddy Curry (200 dólares).

Mas se você não quer uma aulinha de arremesso qualquer com o Ray Allen, não quer vinho do Bird e nem nada com uma assinatura de um jogador da NBA, mas sim algo que possa fazê-lo crescer como pessoa, crescer como fã e entendedor de basquete, e quer gastar 10.000 dólares e sentir que valeu cada centavo, eu recomendo isso aqui.

Acredite, em 19 de junho de 2007 algum ser humano pagou 10.000 dólares para ter um mini curso de uma hora sobre como treinar um time de basquete com o Isiah Thomas! Eu prefiro acreditar que quem pagou isso é um cara rico de Detroit que queria tirar uma foto com o Isiah Thomas jogador e nem ouvir ele falar sobre como treinar um time. Que pelo menos a instituição de caridade saiba investir melhor seu dinheiro do que o Knicks.

E que coisas da NBA você gostaria de ver em leilão? Eu gostaria de um jantar a luz de velas com o Marko Jaric e a Adriana Lima, de preferência no mesmo dia e hora de um jogo do Grizzlies. Mas o que iria bombar mesmo seria um curso de medicina caseira com o Stephon Marbury. Ia ter gente pagando os tufos por isso. Por que? Veja como o Dr. Marbury nos ensina a comer vaselina quando tivermos dor de garganta.


5 comentários:

Farid Tranjan disse...

É, Marbury pirou de vez... Aquele vídeo dele chorando foi ridículo, só faltou ele cortar os pulsos.

Ei, podia rolar uma promoção, do tipo "a resposta mais original" à pergunta "E que coisas da NBA você gostaria de ver em leilão?". O vencedor ganharia... hum... er... bem... ganharia o direito de... de... (minha mãe tá me chamando, vou ali.)

Denis disse...

O vencedor ganha um pote de vaselina.

Cassyus disse...

O problema do citado jantar com o Jaric e a Adriana Lima, do jeito que ele tem jogado nas ultimas temporadas imagino o Hollins implorando para ele participar do jantar e se for possível, jantares em 82 datas por temporada.

Holandez disse...

Quero uma aula de cotoveladas fatais com o Malone ou de wrestling com Rodman

Anônimo disse...

Cara, essa da vasilina é podre.

Heverton Elias