quinta-feira, 5 de junho de 2008

A final




















O que o Lakers precisa fazer para vencer a série:

A defesa do Lakers era bem inconsistente na temporada regular, com alguns jogos muito ruins mesmo em casa, mas na pós-temporada muita coisa melhorou. Para o Lakers ter alguma chance na final, a consistência defensiva tem que continuar lá, e isso porque a principal chave para o Lakers vencer a série é o jogo de transição. O Lakers joga bem melhor e tem um aproveitamento de arremessos superior quando joga com velocidade, a velocidade não é só aquele contra-ataque furioso que termina em três segundos, o Lakers nem faz tanto isso, mas é aquele ataque que chega rápido no campo ofensivo e abusa dos passes para se aproveitar da defesa adversária ainda se recompondo do erro ofensivo. É muito mais difícil impôr um ritmo rápido de jogo se a defesa não funciona lá atrás. A defesa do Celtics, quando bem postada, é muito difícil de ser superada e nesses momentos será importante demais Kobe Bryant conseguir aquelas suas cestas difíceis, e como sempre Fisher, Radmanovic e Sasha devem ter um bom aproveitamento das bolas longas para abrir espaço para Gasol e Odom marcarem seus pontos no garrafão.

Para a defesa funcionar como o desejado é importante achar os jogadores certos para marcar cada jogador do Celtics. Discuti isso no texto de ontem e repito que não tenho nenhuma grande sugestão ou resposta, apenas acho que o Phil Jackson deve ter percepção boa o bastante para trocar a marcação o mais rápido possível caso ela comece a dar errado. Além disso, são mais importantes do que nunca as coberturas e o entrosamento na defesa. Contra um time bem armado as coberturas já são importantes, contra um time que dá muitas assistências e que tem três estrelas que podem criar seu próprio arremesso a qualquer momento, é mais importante ainda. Além do que será importante decidir se irão dobrar a marcação no Kevin Garnett quando ele estiver próximo à cesta, como fizeram muitas vezes com o Duncan, já que o Celtics tem até mais arremessadores do que o San Antonio Spurs. Se o Lakers já penou na mão do Brent Barry, imagina o que Ray Allen pode fazer.

Já li por aí que tem gente achando que os pivetes do Lakers vão amarelar. Que caras como Sasha Vujacic, Jordan Farmar e Ronny Turiaf vão sentir o peso das finais e que com isso o Lakers não terá um banco mais forte, como alguns, incluindo eu, acreditam. Acho que eles até podem amarelar, acontece com qualquer um, mas não há razão para achar que eles vão amarelar e os pivetes do Celtics, Rondo e Perkins, não. Todos passam pela mesma situação: são jogadores bem novos que de repente foram colocados ao lado de grandes estrelas em um time que está prestes a ganhar um título. Mas com o agravante no Celtics de que os dois mais novos são titulares. Mas assim como o Rondo e o Perkins lidaram muito bem com essa pressão a temporada toda, os jovens do Lakers também não amarelaram em toda a temporada e nem nos playoffs. Embora não seja impossível, acho que ninguém vai amarelar e acho que essa final será decidida pela tática, pela vontade e pelo talento, não pela idade dos jogadores.

Voltando ao ponto do jogo de transição, podemos lembrar que o único time que o Celtics pegou nos playoffs que tinha essa característica era o Hawks, que, em casa, quando conseguiu correr, ganhou todos os jogos. O Celtics, em compensação, devolveu em lavadas nos jogos em casa, quando não deixou o Hawks correr. E na temporada regular lembro que o Celtics perdeu apenas uma vez três jogos seguidos, foi em uma viagem pelo Oeste quando pegaram em sequência Nuggets, Warriors e Suns, e em todos os jogos perderam e tomaram mais de 100 pontos. O Lakers precisa botar seu ataque pra funcionar e forçar o ritmo de jogo sem afobação.
























O que o Celtics precisa para vencer a série:

Se o Lakers precisa correr, fica óbvio, até, que o Celtics precisa diminuir o ritmo de jogo. E isso não significa apenas que o Rondo deve ir andando da defesa para o ataque na hora de armar o jogo, existem duas coisas em especial que o Celtics deve e pode fazer para diminuir o ritmo do Lakers.

A primeira coisa é movimentação ofensiva, tocar bastante a bola, gastar o relógio de maneira útil para conseguir o melhor arremesso possível. Um melhor arremesso significa maior aproveitamento e, consequentemente, mais chances da bola cair e dar tempo de voltar numa boa pra defesa. A pior coisa que pode acontecer são arremessos preciptados que dão aqueles rebotes longos que caem nas mãos dos armadores adversários, o Eddie House vai ter que se controlar e não arremessar toda vez que a bola passar na sua mão.

A segunda coisa que o time de Boston deve fazer é atacar os rebotes ofensivos. Pau Gasol e Lamar Odom são bons reboteiros, Odom tem sido ótimo nos playoffs, mas eles não são fortes como Garnett e Perkins, ambos devem sempre ficar lutando por posição para o rebote. Qualquer posse de bola a mais é um ataque rápido a menos para o Lakers, e mesmo que apenas exista aquela briga de tapinhas no alto, já é alguma coisa, já é um tempo extra para a defesa voltar e se reestabalecer.

Com o jogo no ritmo do Celtics, tudo fica mais fácil, embora não muito fácil. É preciso lembrar que os dois times chegaram nas finais porque sabem se virar nas mais diversas situações. O Lakers já superou time de ataque fulminante, o Nuggets, time que sabe rodar a bola, o Jazz, e uma das melhores defesas da NBA, o Spurs. Já o Celtics teve a melhor campanha de toda a temporada regular, batendo em times jovens, velhos, de defesa boa ou ruim, de ataque rápido ou lento. Nos playoffs, apesar das duas primeiras séries bem ruins, voltaram a jogar bem na final de conferência e bateram o Pistons com duas vitórias fora de casa. Então embora impôr o ritmo de jogo seja um passo importante rumo à vitória, não é garantia de nada.

Um ponto em que o Celtics deve tomar cuidado é o banco de reservas. Em toda temporada e até nos playoffs, o Lakers tem sempre vencido os outros times quando os reservas estão em quadra. Isso é importante demais para o Lakers, porque é isso que permite ao Kobe descansar e é isso que obriga o time adversário a usar os seus titulares mais tempo ainda, forçando-os ao cansaço e ao problema de faltas. O Celtics tem um bom banco com Cassell, House, Glenn Davis, Posey e Powe e pode jogar de igual para igual, fazendo o Lakers provar do próprio veneno. Tudo o que o Phil Jackson não quer é usar o Kobe no começo do quarto período ao invés de dar seus minutinhos de descanso. Falando em reservas, Leon Powe e Glenn Davis são outros que podem fazer a festa no rebote ofensivo, grande fraqueza do Lakers.

Por fim, o Celtics deve apenas se preocupar em defender bem no jogo de meia quadra, forçar o Lakers a diminuir o ritmo e não fazer eles pagarem o preço por isso seria patético para os verdes. Fora que o Celtics sem defesa é Buchecha sem Claudinho, é como avião sem asa, é fogueira sem brasa.

...

Lembramos que o jogo 1 é hoje às 22h e que terá transmissão da ESPN. Se você não tem TV à cabo para ver o jogo, pode entrar no nosso CHAT, lá teremos alguns links para assistir à partida e um bate-papo cheio de fãs do Lakers pra te irritar!

3 comentários:

thales disse...

Vai chover sangue, os uteros vao minguar, o leite vai azedar no seio materno, pq hj vai começar a finaaaal \,,/

GO CELTICS

Luiz Guilherme disse...

Odeio o P. Pierce!! só pra constar!

cARLOS disse...

Eu olho pro Perkins e imagino tipo um gênio da lâmpada malvadão assim, parece que ele tem uns 3 mil anos de idade....